Belo Horizonte Practice Group/Grupo de Pratica

Este grupo usa ingles e portuguese. This group uses both English and Portuguese. We are a group of teachers, parents, students, environmentalists, business people and others who have the common interest of learning and teaching Nonviolent Communication. Somos um grupo de professores, pais, alunos, meio-ambientalistas, empressarios e outros com o interes comum de aprender e ensinar Comunicação Não-violenta.
Meeting Times: 
Every second Monday of the Month from 7:00 to 9:00 pm / toda segunda segunda-feira do mes as 19:00 - 21:00
Contact Information: 
mark-henry@live.com

Localização

Bairro Sion Belo Horizonte, MG
Brazil
19° 55' 8.6448" S, 43° 56' 18.87" W
Print

Comentários

Portuguese translation of previous comment

Tivemos várias reuniões, a partir do meio de 2010. Nas primeiras reuniões, nós compartilhamos conversa aberta sobre o NVC e como podemos aplicá-lo em nossas vidas e em nossas profissões. Trouxe os livros para mostrar e compartilhar. Recentemente, eu decidi que iria atender as necessidades dos participantes melhor se eu me preparei algo para compartilhar, no início da reunião. Para o nosso último encontro, Fevereiro 23,2011, preparei-me as seguintes notas no livro de Marshall Rosenberg, "We Can Work It Out" Nós, professores, pais, amigos, por vezes nos encontramos em uma situação em que podemos ajudar os outros dois ou mais resolver um conflito. Frequentemente, ouvimos os dois lados, decidir quem está certo e punir quem está errado. Ou podemos forçar um ou dois para fazer um pedido de desculpas insincero. Nós não devemos nos surpreender que esses conflitos surgem novamente e novamente. Não abordamos as necessidades que estão na raiz do conflito. Mediação com CNV, por outro lado, significa que não estamos em posição de autoridade naquele momento. Estamos em uma posição de serviço. Nosso objetivo é ajudar as eles quem estão em conflito para expressar e entender as necessidades de ambas as partes e para ajudar a construir a conexão entre eles o que levará a cooperar para atender às necessidades de todos. Marshall tem 40 anos da mediação de conflitos entre membros da família, no trabalho ou entre partes em conflito que demonstrou que o conflito pode ser resolvido a satisfação de todos. Trabalho sobre a qualidade da conexão antes de tentar encontrar estratégias para resolver o conflito. CNV não pretende se negociar. Abandonar o objetivo de conseguir a outra parte faça o que quiser. Procure maneiras de satisfazer as necessidades de todos. Os participantes vão resistir a qualquer solução até que tenham certeza de que suas necessidades também pesam. O processo de Comunicação Não-Violenta é baseada em práticas respeitoso que promover a cooperação genuína. Discussão: O que significa para um professor ou um chefe de abandonar a meta de conseguir a outra parte para fazer o que eles querem? Que tal um pai, cônjuge, vizinhos, patrão do restaurante, policial? práticas CNV: a. Expresse suas necessidades. Isso significa estar em contato com suas necessidades e com o vocabulário de expressá-las. Isso significa assumir responsabilidade por eles e não expressá-los como uma falha na outra parte. b. Sentindo as necessidades dos outros, independentemente de como eles se expressam. c. Verificar se as necessidades foram recebidos exatamente como foram espressados. d. Da empatia a pessoas que tem muito dor e não consiguem ouvir as necessidades dos outros, e e. Traduzindo soluções propostas para a linguagem de acção positiva. As necessidades não são estratégias. Ao expressar necessidades, evitar críticas ou as implicações de maldade. Discussão: A lista de necessidades. Quando criticamos, soluções ainda fácil escapar-nos. Perdemos o foco das necessidades e jogar o jogo de "quem está certo." Todos os seres humanos têm as mesmas necessidades. Necessidades não dependem de pessoas específicas, tomando ações específicas. Podemos nos treinar para ouvir as necessidades por trás do que as pessoas dizem, não importa como eles são expressos. Por exemplo: "Esta é uma pergunta estúpida" Marshall pode supor que a necessidade para compreender não estava sendo cumprida quando ele fez essa pergunta. Exemplo: "Eu não quero falar sobre isso." Marshall pode sentir que a pessoa tem uma necessidade de protecção do que eles imaginam que poderia acontecer se eles se comunicam. Marshall narra a história de um casal que estava discutindo sobre o controle do talão de cheques para 39 anos. Em todo esse tempo, apesar de ter um bom casamento, em muitos aspectos, eles nunca foram capazes de descobrir a suas próprias necessidades, nem as necessidades do outro. Depois Marshall ajudou a compreender isso, o conflito se resolveu. É crucial que uma vez que a necessidade se expressa, por outro lado ser capaz de repeti-lo de volta. Isso às vezes é muito difícil por causa das imagens inimigo que nós desenvolvemos. própria dor uma pessoa pode impedir que alguém ouvir as necessidades dos outros. Pode ser necessário oferecer "empatia de emergência" para alguém. Quando sua própria dor foi ouvida e compreendida, eles podem ouvir as necessidades dos outros. Marshall narra a história de duas tribos, na Nigéria, que tinha sido matando uns aos outros a um ritmo alarmante. Na tentativa de mediar, ele precisava oferecer uma grande dose de empatia com esses chefes, porque eles tinham perdido familiares no conflito. Foi muito difícil para eles conseguir ver além das imagens inimigo, nessa circunstância, para que eles pudessem ouvir as necessidades do outro lado. No entanto, depois de se terem empatia por sua dor, eles foram capazes de ouvir e parou a guerra naquele dia! Não vai ate estratégias ou soluções antes de que todas as necessidades foram expressos e ouvidos. A qualidade da conexão isso cria (porque todos temos as mesmas necessidades) torna possível encontrar formas de atender às necessidades de todos. Se você se anda muito rápido, você vai acabar com negociação e o conflito pode ressurgir mais tarde, porque nem todas as necessidades que foram atendidas. Você deve terminar com uma acção positiva e não conceitos vagos. Seja específico e presente. O que você gostaria de acontecer neste momento? "Eu gostaria que você dizer se você estaria disposto a ..." Se você perguntar a alguém se gostaria de sair com você na noite de sábado, você não está no presente. A presente pedido seria de perguntar-lhes como se sentem (agora) sobre sair com você no sábado ou se eles têm algum receio em sair no sábado. Dizer o que voce não quer criar confusão e resistência, mesmo se nós estamos dizendo para nós mesmos. Marshall dá o exemplo de dizer-se mais e mais erros que ele não quer fazer um debate, que tinha feito no debate anterior. Alguns segundos depois que o debate começou, ele fez todos os erros que ele prometeu que não ia. Ele também conta a história de uma mulher que pediu ao marido para não trabalhar até tão tarde. Ela ficou furiosa quando ele começou a sair do trabalho mais cedo porque ele tinha se juntou a um campeonato de boliche. "Ouça", "permitir", "respeito", "se comportar", "muda", são vagas e são muito difíceis para a outra parte para responder. É extremamente importante que você siga com um pedido, não uma exigência. Se você não pode aceitar "não", então é uma exigência. Ouvir um "não" como uma expressão de uma necessidade que não está sendo atendida pela solução proposta. Respeitando as necessidades dos outros "não significa desistir. Significa que voce reconhece que as necessidades de amnbos lados são importantes. Somente quando todos acreditam que seus necesidades são importantes e possivel achar soluções completos.

History

We have had several meetings, starting in mid 2010. At the first few meetings, we shared open conversation about NVC and how we can apply it to our lives and in our professions. I brought books to show and share. Recently, I decided it would meet the needs of participants better if I prepared something to share at the beginning of the meeting. For our most recent meeting, February 23,2011, I prepared the following notes on Marshall Rosenberg´s book, "We Can Work It Out:" We, teachers, parents, friends, occasionally find ourselves in a situation where we can help two or more others resolve a conflict. Often, we listen to both sides, decide who is right and punish who is wrong. Or we force one or both to make an insincere apology. We shouldn´t be surprised that these conflicts arise again and again. We haven´t addressed the needs which are at the root of the conflict. Mediation with NVC, on the other hand, means we are not in a position of authority at that moment. We are in a position of service. Our purpose is to assist the fighting parties to express and understand the needs both parties have and to help build the connection between them which will lead to cooperating to meet everyone´s needs. Marshall´s 40 years of mediating conflict between family members, in the workplace or between warring parties, has demonstrated that conflict can be resolved to everyone´s satisfaction. Work on the quality of the connection before attempting to find strategies to resolve the conflict. NVC does not seek to compromise. Abandon the goal of getting the other party to do what you want. Look for ways to meet everyone´s needs. Participants will resist any solution until they are sure that their needs weigh equally. The Nonviolent Communication process is based on respectful practices that foster genuine cooperation. Discussion: What does it mean to a teacher or a boss to abandon the goal of getting the other party to do what they want? What about a parent, spouse, neighbor, restaurant patron, police officer? NVC practices: a. Express your needs. This means being in touch with your needs and having the vocabulary to express them. It means taking responsibility for them and not expressing them as a flaw in the other party. b. Sensing the needs of others, regardless of how they are expressed. c. Checking to see if needs are accurately being received. d. Providing empathy people need in order to hear the needs of others, and e. Translating proposed solutions into positive action language. Needs are not strategies. When expressing needs, avoid criticism or implications of wrongness. Discussion: list of needs. When we criticize, even easy solutions elude us. We lose focus of needs and play the game of "Who´s Right." All humans have the same needs. Needs do not depend on specific people taking specific actions. We can train ourselves to hear the needs behind what people say, no matter how they are expressed. For example: “That´s a stupid question!” Marshall might guess that the person´s need for understanding was not being fulfilled when he asked that question. Example: “I don´t want to talk about it.” Marshall might sense that the person has a need for protection from what they imagine might happen if they communicate. Marshall tells the story of a couple who had been arguing over control of the checkbook for 39 years. In all that time, despite having a good marriage in many ways, they were never able to discover their own, nor the other´s needs. Once Marshall helped them to understand that, the conflict resolved itself” It is crucial that once a need is expressed, the other part be able to repeat it back. This is sometimes very difficult because of enemy images we have developed. One´s own pain can prevent someone from hearing the needs of others. It may be necessary to offer “emergency empathy” to someone. When their own pain has been heard and understood, they can hear the needs of others. Marshall tells the story of two tribes in Nigeria who had been killing each other off at an alarming rate. In trying to mediate, he needed to offer a great deal of empathy to these chiefs, because they had lost family members in the conflict. It was very difficult for them to get beyond enemy images in that circumstance, so that they could hear the needs of the other side. However, once they did get empathy for their pain, they were able to hear and the killing stopped that day! Do not move to strategies or solutions until after all needs have been expressed and heard. The quality of connection this creates (because we all have the same needs) makes it possible to find ways to meet everyone´s needs. If you move too fast, you´ll end up with compromise and the conflict might resurface later, because not all needs will have been met. You must end with positive action, not vague concepts. Be specific and present. What would you like to happen at this moment? “I´d like you to tell if you´d be willing to …” If you ask someone if they´d like to go out with you on Saturday night, you are not in the present. A present request would be to ask them how they feel (now) about going out with you on Saturday or whether they have any reservations about going out on Saturday. Telling people what you don´t want creates confusion and resistance, even if we are telling it to ourselves. Marshall gives the example of telling himself over and over what mistakes he did not want to make in a debate, which he had made in a previous debate. A few seconds into the debate, he made all the mistakes he vowed not to. He also tells the story of a woman who asked her husband not to work so late. She became furious when he started leaving work earlier because he had joined a bowling league. “Listen,” “allow,” “respect,” “behave,” “change,” are all vague and are very difficult for the other party to respond to. It is extremely important that you follow with a request, not a demand. If you cannot accept “no” then it is a demand. Hear “no” as an expression of a need which is not being met by the proposed solution. Respecting others´ needs does not mean giving up or giving in. It means acknowledging that both parties needs are important. Only when the other party senses that can total solutions be found.

The Center for Nonviolent Communication
9301 Indian School Rd NE Suite 204
Albuquerque, NM 87112-2861 USA
Tel: +1.505.244.4041 | Fax: +1.505.247.0414 | US Only: 800 255 7696

NEW fundraising opportunity for US residents.